segunda-feira, 5 de outubro de 2009

99 Anos depois ...

Cumpridos que estão 99 anos de República, importa esclarecer algumas mentes - certamente distraídas dos vatos recursos de que hoje dispomos na "Sociedade da Informação e do Conhecimento" - sobre uma ou outra questão decisiva:


  1. Monarquia não é a mesma coisa que Ditadura. Há muito que os regimes monárquicos da Europa Ocidental (mesmo o Estado do Vaticano) deixaram de ser Estados Absolutos (vejase a parlamentaríssima Inglaterra, a Espanha de D. Juan Carlos ou as monarquias nórdicas!). Logo, dizer que se tivéssemos um Rei, teríamos um "ditador" é uma falsidade e uma desonestidade intelectual de quem o diz.

  2. Quando se diz que a Monarquia já não era popular em 1908-1910 é mentira! Basta ver as imagens fortes e comovedoras dos funerais de D. Carlos I e D. Luiz Filipe para pensar o contrário! Os grandes responsáveis pela queda da monarquia foram os líderes dos Partidos Regenerador, Progressista e Regenerador-Liberal - respectivamente Hintze Ribeiro, José Luciano de Castro e João Franco

  3. 99 anos de República trouxeram-nos - apesar de inegáveis avanços - os anos de maior recessão económica de que há memória desde que existem registos e estatísticas oficiais (há contabilidade de Estado desde os finais do século XVIII), bem como anos de instabilidade política, clivagens sociais e momentos de turbulência política que em muito prejudicaram a afirmação do país

Falta, cada vez mais, um referencial isento, uma figura modelar e carismática, que corporize os valores e a identidade nacional: o Rei

É urgente (re)lançar, como Paulo Teixeira Pinto se prepara para fazer, uma discussão desapaixonada, séria e intensiva sobre as virtualidades do Regime Monárquico!

100 anos de República já são suficientes ...

Este curto intervalo numa vasta história de quase 900 anos é meramente irrelevante ...

NOTA: As imagens apresentadas (bem como o vídeo) referem-se ao funeral de D. Carlos I, na Igreja de S. Vicente de Fora


video

5 comentários:

  1. Isso é giro e tal... Mas quem é que vais meter como Rei? É que eu até tenho medo de perguntar...

    ResponderEliminar
  2. O legítimo representante da Casa de Bragança!

    Já sabias qual ia ser a resposta, não já ...

    Seu malandro!

    ResponderEliminar
  3. Claro! Eis mais uma personagem que, na minha opinião, não justifica o lugar.
    Se, por um lado, concorde que seja necessário lutar pelos objectivos, também concordo que por vezes tal não seja o adequado (exemplo no caso das monarquias). No entanto, eis alguém que na minha opinião actual não tem garantias de saber governar sequer uma pequena empresa, quanto mais um pais inteiro. Um Rei tem responsabilidades importantíssimas, para consigo e para com o povo. Não acredito, de momento, que seja capaz de cumprir com uma sequer destas.

    PS: Já vi o wikipedia lol. Foi á guerra, mas não me aparentou demonstrar nada de mais para além disso....

    ResponderEliminar
  4. Adriano

    Ele nunca governou nada (à excepção da Fundação da Casa de Bragança - e neste caso com bons resultados)

    Como podes avaliá-lo apenas pelo seu aspecto exterior?

    Acho que estás a ser precipitado mas, como sempre, respeito a tua opinião

    ResponderEliminar
  5. Eu sei que estou a correr o risco de ser precipitado, no entanto, também é minha opinião que o Rei deverá ser um dos supremos pontífices intelectuais da nação, tendo um sentido de responsabilidade para com o povo supremo. Como tal, compreendo as opções dos antigos para os Reis... Seriam então os mais fortes, ou os mais coragosos... ou os mais inteligentes. Nesta época de historia, premeia-se a inteligencia. No entanto... Estamos a assistir a uma manipulaçáo em massa do povo. Não sei como iriamos decidir quem seria o Rei ... Vamos ter que deixar o assunto para um dos nossos debates bi-semanais lol.

    ResponderEliminar