sábado, 31 de outubro de 2009

Um palpite laranja


Caso se confime a crescente onda de apoios de peso (e a aceitação do próprio em entrar na "corrida", sendo muito previsível que com esta onda "quase" consensual não lhe restem grandes dúvidas) dos quais apenas destaco Paulo Rangel, José Luís Arnault, Alexandre Relvas, Morais Sarmento e "implicitamente" Alberto João Jardim, creio que não haverá dúvidas que Marcelo Nuno Duarte Rebelo de Sousa será o próximo presidente do PSD, sem grandes dúvidas ...

Faltando ainda algum tempo para indicar novas candidaturas e novos apoios das "elites" e dos "basistas" (o que quer que estas expressões signifiquem), Marcelo leva já uma inegável vantagem, que seria imprudente subestimar ...

No meu caso pessoal, não tendo aínda formulado qualquer escolha ou desejo, posso dizer aquilo que não quero para o PSD:
  • Um Presidente que passou um ano inteiro a auto-promover a sua imagem num ciclo eleitoral terrível, em que era importante que o Partido estivesse unido e militante no seu combate (a sua não inclusão na lista de deputados é, a meu ver, um castigo justamente penalizador de uma atitude guerrilheira desagradável e constante - e que teve nas Europeias e em Vila Real um ponto culminante)

  • Um Presidente que esteja a invocar patrocínios da líder (ainda) em funções e que esteja também a fazer o seu "sprint" para a meta recorrendo ao poder que (ainda) detém na vice-presidência partidária, quando se trata de uma pessoa sem qualquer dimensão intelectual e programática relevante ... Mais: quando essa mesma pessoa "fez a cama" ao líder que, com mais de 60% dos votos expressos pelos militantes foi legitimado para vencer José Sócrates e que foi constantemnte vilipendiado e posto em cheque por ambiciosos arrivistas ... como o dito senhor e a sua entrevista à Visão em Abril de 2008 (para bom entendedor ...)

  • Um Presidente que represente aquilo que é preciso "exorcizar" no PSD: o longo (e marcante) passado cavaquista ... há que virar a página desse passado (que muitos e bons frutos deu ao progresso do país, mas que está esgotado ... ponto)

E sei também aquilo que, em termos de perfil, quero para o PSD:

  • Um líder forte, apoiado pela maioria do partido

  • Um líder inteligente, capaz, com provas dadas

  • Um líder com "boa" imprensa e que a possa usar em benefício do partido (desde a segunda maioria absoluta de Cavaco que é rara a "boa" imprensa no PSD)
  • Um líder que saiba o que quer, que faça uma reforma dentro do PSD, na sua forma de comunicar e de agir politicamente e que, depois desse trabalho feito, possa - de facto - reconquistar a confiança (há muito) perdida pelos portugueses no PSD ...

  • Um líder que - como MFL, faça-se-lhe justiça - perceba o potencial criativo representado pela JSD e lhe possa dar mais força dentro do Partido para que este se possa aproximar da linguagem das novas gerações e dos novos discursos sociais

  • Um líder que, em suma, seja capaz, culto e que leia bem os ventos que vão soprando no mundo

  • Em resumo: um líder de dimensão!

Não sendo possível contar com Paulo Rangel (minha desejada primeiríssima escolha), vejo neste momento duas figuras que podem representar este perfil:

  • Paulo Mota Pinto (um homem que, ainda há 1 ano, era desconhecido da esmagadoríssima maioria dos portugueses - um Professor de Coimbra jovem e inteligente, mas já com currículo político e com uma "boa" cabeça, arrumada e empreendedora; tem a vantagem de estar no Parlamento para enfrentar "cara a cara" José Sócrates; tem a vantagem de não ter "passado" o que é uma inegável mais valia; tem a vantagem de perceber as novas plataformas e círculos de comunicação política - é a minha escolha preferida)

  • Marcelo Rebelo de Sousa (que reúne todos os predicados ditos acimas mas que, na minha opinião, tem apenas um "handicap": Já foi líder do PSD ...

Mas, não foi Sá Carneiro líder do Partido por mais do que uma ocasião?

A ver vamos ...

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

sábado, 24 de outubro de 2009

Portuguesices: a Justicialização da Política

Foi arquivado o processo contra o ex-vereador da Câmara Municipal de Lisboa Fontão de Carvalho (caso Bragaparques)... repito: arquivado!

O ciclo vicioso deste processo segundo Rodrigo Moita de Deus:
  • Fontão de Carvalho perdeu o lugar de vereador por causa deste processo

  • Carmona Rodrigues perdeu o lugar de presidente por causa de Fontão de Carvalho

  • Marques Mendes perdeu a liderança do PSD porque retirou a confiança política a Carmona Rodrigues e perdeu a Câmara de Lisboa

(via 31 da Armada)

Quem fica a ganhar do meio disto tudo?


Nota para reflexão: não está na altura de, ou julgar as pessoas em praça pública APENAS quando houver elementos muito fortes e claros de culpabilidade? ou então quando a investigação for consistente, bem feita e de qualidade?


Em Portugal, parece difícil ...

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Imagem do Kaos: (mais uma) Saramagada

Enfim ... quando se chega a "grande" sem se ter grandeza (de carácter) ... é pena!

Há bocas que deviam estar fechadas.

Hoje, vou falar sobre uma pseuda actiz brasileira que veio ao nosso amado Portugal, dizer mal, gozar e humilhar Portugal e Portugueses (chegando mesmo a cuspir para uma fonte; algo repugnante e nojento (cuspir é sempre nojento mas ainda mais quando é para monumento nacional)).
A história já bem conhecida através dos meios de comunicação mas não podia não deixar a minha opinião sobre video e já agora sobre o Brasil, antes vamos ver o video.
O video que se seque é repugnante e nojento. Cuidado com pessoas mais sensiveis.



Esta pseudo-actriz Brasileira na minha estar com boca fechada e devia lavar boca com vinagre, e depois com lixívia, quando falasse de Portugal.
Eu não tenho nada contra o Brasil e ou os Brasileiros, mas o de facto é que o Brasil é uns dos paises mais pobres do mundo: Rio de Janeiro e São Paulo são as duas mais cidades perigosas do mundo, o Brasil está cheio de morros e o sistema politico Brasileiro está cheio de corrupção. Tendo em conta tudo isso acho que um Brasileiro/a não devia poder dizer mal de Portugal.
Para agravar a situação foi Portugal quem fundou o Brasil e esta pseudo-actriz já recebeu muitos trabalhos daqui de Portugal. Pode ser que nunca mais volte representar no palco Portugês.



Amilcar Azevedo
Obrigada e desculpe mas é minha opinião.
Viva Portugal

domingo, 18 de outubro de 2009

O que falhou no PSD?


Depois de um ciclo eleitoral em que - muitos se parecem esquecer - o PSD venceu 2 das 3 eleições que se realizaram: europeias e autárquicas (tendo apenas perdido as legislativas), é chegado o momento de nos sentarmos todos (sobretudo os que, como eu, são "laranjas") e de reflectirmos no que aconteceu e como se poderá evitar erros semelhantes no futuro:
  1. A eleição de Manuela Ferreira Leite representou uma mudança de paradigma nas últimas lideranças políticas do PSD - um perfil mais austero, mais prudente, menos efusivo e, sobretudo, com menor "verbo" e menos capacidade empática (o que se traduz, inevitavelmente, em menos "carisma" - algum deste, diga-se, tem sido cada vez mais insuflado e fabricado pelos "fazedores de opinião" e pela imprensa ...)

  2. Esta liderança afirmou, desde cedo, que o seu lema e o seu grande projecto político seriam a reabilitação do país através da confiança na verdade e na transparência como formas de acção: a política de verdade. Desta forma, assumindo compromissos e não fazendo promessas, estabelecer-se-ia uma relação de confiança com o eleitorado e restaurar-se-ia algum do prestígio perdido das instituições.

  3. Por outro lado, Manuela Ferreira Leite afirmou a sua vontade de não realizar comícios e grandes manifestações de "política-espectáculo", mantendo uma linha de coerência face à sua leitura da grave situação económica e social do país. Nesta mesma linha de acção política preferiu o contacto de proximidade com as populações e as empresas - o que se reflectiu, naturalmente, na sua campanha eleitoral.

Definidas as grandes linhas gerais, vejamos o que se passou no espaço de tempo entre Maio e Setembro de 2009:

  1. O PSD vence, de forma clara, as eleições europeias (em grande parte pela extraordinária força e capacidade de Paulo Rangel), deitando por terra a estratégia da "roubalheira" de Vital Moreira (que chamou à colação numas eleições europeias o caso BPN, colando-o ao PSD) e os ataques sucessivos da clique socretina. Também, internamante, Manuela Ferreira Leite vence a "sua" batalha: Paulo Rangel foi uma aposta pessoal da líder do PSD! Foi uma cartada alta, arriscada, já que Paulo Rangel vinha fazendo um extraordinário trabalho na Assembleia da República, enquanto líder parlamentar, mas - e bem - entendeu a Presidente do PSD que era necessário começar o ciclo com um "trunfo".

  2. Este triunfo garante a Manuela Ferreira Leite um grande balão de oxigénio, já que, como é consabido, a intriga e a guerrilha interna no PSD nos últimos anos tem sido, verdadeiramente, autofágica e em muito tem contribuído para o desgaste e a perda de eleitorado do Partido. Não nos esqueçamos que uma eventual derrota, mesmo que pequena, poderia ser logo sinal de "pedido de cabeça" e de novo ciclo de instabilidade, desviando-se o partido daquilo que deevrá ser essencial: o país.

  3. No caminho para as Legislativas, Manuela Ferreira Leite termina o Forum "Portugal de Verdade" (na minha opinião, um dos maiores contributos desta liderança para a afirmação de um projecto de governo alternativo e para a convocação de esforços e de vontades - nomeadamente independentes, onde destaco os fantásticos contributos de Belmiro de Azevedo, João César das Neves, Nuno Crato, Daniel Bessa, Maria José Nogueira Pinto e tantas outras figuras de primeiro plano). Para além disso, afirma a sua linha orientadora (até aqui coerente) e que parece estar a ser bem assimilada pelos portugueses (a tal ponto que as sondagens mostram uma tendência até ao final do verão: a proximidade "taco a taco" entre PSD e PS).

  4. Mês de Julho-Agosto. As listas de deputados são enviadas pelas Comissões Políticas Distritais (depois de terem sido aprovadas nos plenários das Assembleias Distritais) para a Comissão Política Nacional, que vai dar o seu parecer sobre as mesmas. Balanço: uma boa parte dos cabeças de lista propostos pelas distritais são substituídos por Manuela Ferreira Leite e pela sua equipa (ex: em Vila Real - Passos Coelho é preterido por Montalvão Machado; Faro - Mendes Bota é preterido por Jorge Bacelar Gouveia; em Santarém - Miguel Relvas é preterido por José Pacheco Pereira; em Bragança - Adão Bastos é preterido por José Ferreira Gomes, etc ...). Para além disso, a líder - pessoalmente - assume a escolha de António Preto e Helena Lopes da Costa, 2 deputados envolvidos em processos judiciais ainda não concluídos e em fase final. No caso de António Preto, a escolha é duplamente simbólica: trata-se de um aliado de longa data da agora Presidente do Partido, que contou com o seu apoio na eleição como Presidente da Distrital de Lisboa (e vice-versa) e que está envolvido no célebre "caso da mala" (infelizmente célebre) que está relacionado com a angariação de fundos na campanha eleitoral interna para a Distrital.

  5. Acresce que, por opção política também pessoal, Manuela Ferreira Leite optou por não incluír na lista o seu adversário nas eleições internas: Pedro Passos Coelho, bem como Miguel Relvas (um dos mais próximos apoiantes do primeiro). Esta opção acabou por ter como consequência uma lista menos ampla, menos representativa, mas que procurou ter uma bancada una em torno da direcção do Partido. Naturalmente que, por um lado, compreendo que Ferreira Leite quisesse (como toda a gente quer, é bom que se diga) uma bancada leal, mas é também verdade que o grupo parlamentar perdeu vozes que lhe poderiam dar, eventualmente, mais riqueza e diversidade.

Foi neste quadro que o PSD partiu para a campanha eleitoral para as eleições legislativas, sendo que se confrontava com as seguintes dificuldades:

  1. A "política de verdade" foi afectada pela escolha de António Preto e Lopes da Costa
  2. O Partido não encarou este combate unido, mas fragmentado nas "velhas" disputas internas (atiçadas pela não escolha de Passos Coelho e pela acusação de que estaria a avançar paar uma linha de facção - o que foi um risco desnecessário)
  3. Uma imprensa marcadamente hostil e que aproveitaria o primeiro sinal para "cilindrar" o partido, já de si um pouco fragilizado por declarações sucessivas na imprensa

A força comunicacional do Partido Socialista (que gasta milhares e milhares em "marketeers" e assessorias de imprensa) e a lógica vitimizadora de Sócrates (para não dizer mentirosa e baixa), aproveitando a seu favor as antigas - e sólidas - ligações entre Cavaco Silva e Manuela Ferreira Leite para "subentender" favorecimentos de Belém ao PSD ...

No final das eleições, porque perdeu o PSD?

  1. Porque na recta final, em primeira instância, não se mostrou mobilizado e unido para o grande combate (note-se que foi, praticamente, a JSD - onde me incluo, com muito gosto e em torno da qual participei neste grande combate - e o núcleo duro de Ferreira Leite - com o concurso de uma/outra "figura nacional" que estiveram ao lado de MFL)
  2. Porque a mensagem não passou e o projecto não pôde ser clara e correctamente apreendido pelas pessoas (presas nos "soundbites" socialistas - como as acusações de que MFL era "salazarista" ou o medo da perda de direitos, ou a privatização da segurança social, enfim ... valeu tudo no jogo sujo do PS!)
  3. Porque MLF foi posta em causa - numa altura em que o que mais importava era o país - pelos seus companheiros de partido (que não souberam por de lado velhas divergências pessoais em vez de reconhecerem o perfil e competência da candidata)
  4. Porque o "caso das Escutas" prejudicou objectivamente o PSD (sendo que foi um erro dedicar tempo de antena, durante a campanha a este tema, mordendo o "isco" da imprensa)
  5. Porque MFL foi educada e "limpa" nos debates (e os portugueses gostam de líderes autoritários, mandões, que imponham "respeitinho" - o português gosta de ser "mandado")

Por último julgo que os portugueses talvez não quisessem um Primeiro-Ministro rigoroso, exigente e, acima de tudo, responsável

A ver vamos qual o destino deste país e o seu futuro

sábado, 17 de outubro de 2009

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Colégio Luso-Francês

Dedico esta entrada no blog ao Colégio Luso-Francês e aos meus colegas que tive no CLF ( que ainda são meus amgios/ camaradas, e.g o Gonçalo Marques).
Três vivas ao Colégio Luso-Francês, a melhor instituição de ensino de PORTUGAL.

Já agora, o CLF ficou outra vez em primeiro lugar ho ranking nacional.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

A Internet é um mundo

E permite descobrir belas imagens quando fazemos pesquisas de coisas completamente diferentes ...

E ainda bem :-)

domingo, 11 de outubro de 2009

POPLESS

POPLESS

Dedico está entrada no blogue todas as mulheres Portugueses e não só ( asiaticas também, principalmente japanesas, e claro as loiras com olhos azuis (como o mar) ou com olhos verdes (como esmeraldas)da Ucranica). Em conclusão, eu dedico este blogue toas as mulheres.
Dedico a todas as mulheres que são as creaturas mais belos, sexuais e poderosas do mundo/ universo.

Popless - GNR


URL do video: http://www.youtube.com/watch?v=1IuBbQH0EcM

Grande Musica não é!

Amilcar Azevedo
Obrigada e desculpa.
Viva Portugal

Mulheres que fizeram História - Sophia de Mello Breyner Andresen


Sophia de Mello Breyner Andresen...um singular poema que muito toca... Talvez melhor do que escrever sobre ela seja justamente apresentar aquilo que nos escreveu...


Pátria

Por um país de pedra e vento duro

Por um país de luz perfeita e clara

Pelo negro da terra e pelo branco do muro

Pelos rostos de silêncio e de paciência

Que a miséria longamente desenhou

Rente aos ossos com toda a exatidão

Dum longo relatório irrecusável



E pelos rostos iguais ao sol e ao vento



E pela limpidez das tão amadas

Palavras sempre ditas com paixão

Pela cor e pelo peso das palavras

Pelo concreto silêncio limpo das palavras

Donde se erguem as coisas nomeadas

Pela nudez das palavras deslumbradas



— Pedra rio vento casa

Pranto dia canto alento

Espaço raiz e água

Ó minha pátria e meu centro



Eu minha vida daria

E vivo neste tormento


Sophia de Mello breyner Andresen

sábado, 10 de outubro de 2009

Para quem não gosta de votar !!

Para quem não gosta de votar e para quem não sabe votar (e.g para aqueles que votaram no PS).



Aque está o URL: http://www.youtube.com/watch?v=bKYSaCOPKOI

Obrigada
Amilcar Azevedo

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Sugestões Culturais: Encompassing the Globe

Vale a pena visitar, no Museu Nacional de Arte Antiga, até ao próximo domingo, dia 11!

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Princesas: Mónica Sofia

Proteccionismo sim! As mulheres portuguesas orgulham-nos ... :-)

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Conta Corrente: 99 anos de República


O meu post de hoje é breve e conciso.

Que balanço podemos fazer de 99 anos de República (em traços gerais)?
  • A I República foi um dos períodos mais negros da nossa história:- 45 governos em 16 anos;- economia em desaceleração e pobreza (quase) generalizada;- participação na I Guerra Mundial;- “luta de galos”: Afonso Costa, Brito Camacho, António José de Almeida e Bernardino Machado (árbitro)
  • II República:- 28 de Maio (apesar de tudo um dos verdadeiros e genuínos movimentos patrióticos e cívicos de todos estes 99 anos)- Estado Novo
  • III República:- Se exceptuarmos a “lufada de ar fresco” que foi Francisco Sá Carneiro, há muito pouco de que, verdadeiramente, nos possamos orgulhar (só consigo, verdadeiramente, ter admiração pela obra de Cavaco Silva)- Mário Soares é um monárquico, marialvista “reciclado” de laicismo-socialista-jacobino …

São os 100 anos desta série de "maravilhas" que nos prepararamos para comemorar daqui a 1 ano?

E é também para esta "festa" que cada português vai contribuir com 1 Euro?

Sim! É que a Comissão do Centenário da República já tem em seu poder 10 milhões de Euros para gastar ...

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

99 Anos depois ...

Cumpridos que estão 99 anos de República, importa esclarecer algumas mentes - certamente distraídas dos vatos recursos de que hoje dispomos na "Sociedade da Informação e do Conhecimento" - sobre uma ou outra questão decisiva:


  1. Monarquia não é a mesma coisa que Ditadura. Há muito que os regimes monárquicos da Europa Ocidental (mesmo o Estado do Vaticano) deixaram de ser Estados Absolutos (vejase a parlamentaríssima Inglaterra, a Espanha de D. Juan Carlos ou as monarquias nórdicas!). Logo, dizer que se tivéssemos um Rei, teríamos um "ditador" é uma falsidade e uma desonestidade intelectual de quem o diz.

  2. Quando se diz que a Monarquia já não era popular em 1908-1910 é mentira! Basta ver as imagens fortes e comovedoras dos funerais de D. Carlos I e D. Luiz Filipe para pensar o contrário! Os grandes responsáveis pela queda da monarquia foram os líderes dos Partidos Regenerador, Progressista e Regenerador-Liberal - respectivamente Hintze Ribeiro, José Luciano de Castro e João Franco

  3. 99 anos de República trouxeram-nos - apesar de inegáveis avanços - os anos de maior recessão económica de que há memória desde que existem registos e estatísticas oficiais (há contabilidade de Estado desde os finais do século XVIII), bem como anos de instabilidade política, clivagens sociais e momentos de turbulência política que em muito prejudicaram a afirmação do país

Falta, cada vez mais, um referencial isento, uma figura modelar e carismática, que corporize os valores e a identidade nacional: o Rei

É urgente (re)lançar, como Paulo Teixeira Pinto se prepara para fazer, uma discussão desapaixonada, séria e intensiva sobre as virtualidades do Regime Monárquico!

100 anos de República já são suficientes ...

Este curto intervalo numa vasta história de quase 900 anos é meramente irrelevante ...

NOTA: As imagens apresentadas (bem como o vídeo) referem-se ao funeral de D. Carlos I, na Igreja de S. Vicente de Fora


video

domingo, 4 de outubro de 2009

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Desvarios Eleitorais


Até parece mentira vindo de quem vem ... Uma anedota eleitoral!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

A Sigarra é uma " José Socrates"

A saga do sistema Sigarra na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) continua.
Todos os dias fica pior. A FCUP está em estado de sitio, devido ao sistema actual as aulas estão desorganizadas e os caos está instalado nos corredores


Quando volta o InfoCiências ??

Já agora, desejo a quem votou PS, que vão a merda e que morram lá.

Manuela Ferreira Leite "Live"

O Grupo Amarelo da UV (Universidade de Verão) 2009, na presença do magnífico Reitor Carlos Coelho (da esquerda para a direita: 3º na fila de trás) e da Dra. Manuela Ferreira Leite, Presidente do Partido (ao centro, com as "cores" do inimigo :)

Consta-se que andou por lá um senhor que dá pelo nome de Gonçalo Marques e que parece (não tenho a certeza ...) ser o 1º da fila de trás, vestido de laranja (porque será ?)

Tudo intrigas, notem bem ...